sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Diferentes vidas, amores iguais. - Parte 2


Laila e Taylor se reencontraram. Dessa vez ela teve a certeza dos seus sentimentos. São verdadeiros, verídicos, fortes e inabaláveis. Porém não são da mesma forma dos de Taylor. Esse a ama com voracidade e diz nunca desistir de Laila. Isso a deixa feliz por um certo ponto, mas a entristece por saber que não pode amá-lo da mesma maneira.
Mas enfim, Laila sabe que nunca o esquecerá. Seu espaço está reservado por tempo eterno. Ela teve que superar mais uma vez  seu medo. Enfrentou a sua nova vida. Não sabe ainda no que vai dá, é tudo muito recente e ela ainda se sente só, mais que nunca, ela está só. E quando se deu conta disso, as lágrimas tremeram em suas pálpebras, quiseram explodir, correr, derramar-se, e foi isso que fizeram. Molharam a face de Laila como nunca tinham feito antes. Continuam a rolar e começam a dizer que não sabem quando cessarão. Com isso, o pavor das novas vidas invade a alma de Laila e a deixa nervosa, suada, trêmula. Ela seguirá em frente - como sempre -, mas pede força a todos que possam ajudá-la. Laila não sabe se irá resistir, se continuará a respirar, pois as lágrimas começam a engasgar-lhe de tão desesperadas para sairem dos tristes olhos da pequena Laila.

5 comentários:

Fernand's disse...

o novo é sempre assustador!



=)

bjsmeus

Minne disse...

Os sentimentos nunca serão iguais, não tente pôr o amor em uma balança, pois os pesos não se igualarão. Por mais doloroso que isso seja, um sempre ama mais. Mas não é por isso que o outro deve desistir. O amor basta por si só e ele se intensifica à cada ato ou palavra. Beijo :*

Jamile de Oliveira disse...

Não sei se devo ter pena de Laila... ela é uma sortuda! queria eu apaixonar a outros sem me apaixonar...
muito grata pela visita, infelizmente ainda nao tenho nada publicado, mas estou trabalhando nisso!
Por enquanto mantenho vivo este blog, volte sempre, de verdade!
Beijos

Camila Alves disse...

Cada um ama da sua própria maneira... Outros mais, alguns menos. Só o tempo pode definir realmente o que sentimos por alguém.
Lindo seu texto!
Beijos!

Sr. Lunático disse...

sentimentos, isso sim é "assustador"

Postar um comentário