quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Devaneios torturantes.


Aquela noite seria difícil conseguir dormir. Júlio sabia muito bem disso. Os seus pensamentos andavam soltos e ele começava a escutar passos, sentir medo, tremer, não respirar. Queria sumir (ou morrer, se melhor fosse), não sabia o que estava acontecendo com sua cabeça, com sua mente que andava tão vazia, tão apagada. Júlio suava, sentia-se gélido e pálido. Quem estava a chegar? Quem entraria pela porta?
Ele então se encolheu, debruçou-se entre as pernas, abaixou sua cabeça, chorou, gritou, tentou se abraçar, aquecer-se e ninguém entrou. Porém os passos continuavam se aproximando, continuavam a aumentar o medo de Júlio. Então correu. Correu pra outro aposento, como se aquele canto fosse destruir, mandar embora, matar todas as suas fantasias. Não foi assim.
Vozes começaram a soar nos ouvidos de Júlio e ele tremeu ainda mais. Não sabia o que fazer. Os devaneios torturantes apareciam toda noite e ninguém podia ajudá-lo.
Ele desejava apenas que aquilo o deixasse. Não queria compartilhar suas loucuras com ninguém. Sentia mais medo só de pensar nisso.
Mas enfim, Júlio sabe que tudo isso continuará por algum tempo. Ele sabe qual é o seu problema, mas este, ele diz não revelar a ninguém.

3 comentários:

Blog Na Onda disse...

Gostei do tom de misterio! julio sabe seu problema, não divide c/ ninguem, e pelo visto tbem não tem coragem d os enfrentar! Bjo!

Sr. Lunático disse...

provavelmente julio já escutou a música Whisper do Evanescence (adooreiii ^^ )

● ANGÉLICA ROCHA ● disse...

amei seus post's MIry .. bem legais *-(
ja te seguii ;; me segue tbm
beijos

Postar um comentário